O Ecarta Musical é um projeto da Fundação Ecarta que visa valorizar a música e os músicos do Rio Grande do Sul, assim como facilitar o acesso da população a este bem cultural.



Confira os shows realizados
em 2010:
NOTA PÚBLICA
Repúdio à sanção
do Governo para
extinção das
fundações estaduais

Nome: 
E-mail: 
 
 

 Em Porto Alegre
 
Sede da Fundação Ecarta (Av. João Pessoa, 943 - Farroupilha)

Dia 18/12 - 18h
Nice Porto apresenta musicas medievais
Recital de Abertura: Josias Gustavo Mueller


Acompanhada do Pianista New, Nice vai cantar músicas de sua autoria e canções medievais celta e portuguesa.

Compositora, cantora e professora de técnica vocal, a artista tem uma trajetória musical de 25 anos, tendo como influência Lorrenna Mckennitt (Folk celta); Dulce Pontes, cantora portuguesa; Celtic Woman (celta), Lepa Brenna (cigana nórdica), Enya (new age), Sarah Brightman (lirico popular).

Sua família, de origem portuguesa, celebrava a musica tocando e cantando serestas. Vem daí o gosto pelas musicas européias medievais. Começou sua carreira profissional aos 18 anos com o grupo Musical Bossa 3, de Santa Cruz do Sul, durante seis anos.

Montou sua banda Penélope Charmosa, que teve por três anos.

De 1998 até 2000 foi integrante da Orquestra Cassino de Santa Cruz do Sul, passando por diferentes palcos. Está gravando seu primeiro CD de sua autoria, musicas com influências portuguesas, céltica, árabe, lírica, new age e medievais.


Josias Gustavo Mueller

Nascido em Porto Alegre no ano de 1991, Josias Gustavo Mueller iniciou seus estudos musicais aos 12 anos de idade. Em 2008, Formou-se na classe do Prof. Thiago Colombo no Curso Técnico em Música da ESEP, e realizou seu primeiro recital solo. Nos últimos anos, frequentou diversos festivais de música no Brasil e exterior, tendo cursado masterclasses com renomados professores, como: Eduardo Isaac (Argentina), Mario Ulloa (Costa Rica) e Gérard Abiton (França).

Atualmente cursa o 4o semestre do Bacharelado em música da UFRGS, onde estuda com o Prof. Paulo Inda, além dos Profs. Daniel Wolff e Flávia Alves. Além de suas atividades artísticas, Josias também é Professor do Curso de Extensão em Instrumentos Musicais da UFRGS, onde ministra aulas de violão.

Programa a ser executado:
Johann Sebastian Bach (1685-1750)
Sonata N° 1 em Sol menor, BWV 1001
I. Adagio
II. Fuga (Allegro)
Fernando Sor (1778-1839)
Introdução e Variações Sobre um Tema da Flauta Mágica de Mozart, Op. 9


Dia 04/12 - 18h

Coral Santa Rosa de Lima especial
Recital de Abertura: Sabrina Abreu e Barbara Ziel

O grupo fará uma apresentação especial no mês de dezembro, tendo no repertório canções, como Sapato Velho (Mu/ Claudio Nucci/ Paulo Tapajós); Tiro ao Álvaro (Adoniran Barbosa); Un Vestido y un amor (Fito Paes); Quando te vi (Wilson/versão Beto Guedes); Trio de Efeitos (Luiz Tatit/J. Miguel Wisnik); Borboleta (Domínio Público/Brasil); José (G. Moustaki/Versão Nara Leão); Natal Branco (Irving Berlin); Calix Bento (domínio publico/Brasil); Marcas do que se foi (Márcio Moura/Rui Maurity/José Jorge/ Tavito/ P.S.Valle/ Ribeiro); e Estrela, Estrela (Vitor Ramil).

O Coral Santa Rosa de Lima começou suas atividades no início de 1997 por iniciativa da professora de música Simone Rasslan. Ela percebeu que a comunidade escolar precisava de uma atividade de culminância musical, visto que pais, professores e funcionários mostravam interesse em arte e música. Desde então o grupo cresceu abrindo suas portas não só para pessoas ligadas a comunidade escolar, mas também para todas as pessoas que quisessem aprender música usando a voz como instrumento, O grupo realizou em 2005 o show Flores Astrais e, em 2007, Pelos Cantos do Brasil. Em maio de 2009 o grupo fez uma participação especial no show de Simone Rasslan Xaxados e Perdidos.

SIMONE RASSLAN - Instrumentista, cantora, compositora, atriz, regente e educadora musical (na formação de atores, crianças e adultos). É uma das criadoras do espetáculo Radio Esmeralda (juntamente com Adriana Marques e Hique Gomez) que percorreu boa parte do Brasil e esteve em cartaz durante nove anos.


SABRINA ABREU E BARBARA ZIEL - O dueto é formado por duas alunas do curso de música da UFRGS, Sabrina Abreu e Barbara Ziel. Serão interpretadas a sonata em dó maior de Michel Corrette, compositor francês do período barroco. E o Dueto I do compositor e violoncelista Jacques Offenbach, também francês que pertence ao período clássico. s.



Dia 24/11 - 19h

Recital de Guilherme Sperb

No repertório, peças abrangendo diferentes períodos históricos da música para violão solo - composições de Fernando Sor, Agustín Barrios, Fryderyk Chopin, Manuel Ponce, Toru Takemitsu, entre outros.

Bacharel em Música pela UFRGS. Atualmente cursa Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Música dessa mesma instituição na subárea de Práticas Interpretativas sob orientação acadêmica e artística do Prof. Dr. Daniel Wolff.

Nos últimos anos, realizou masterclasses e cursos com importantes nomes do seu instrumento como Álvaro Pierri, Eduardo Isaac, Eduardo Fernandez, Leo Brouwer, Carlos Barbosa-Lima, Hopkinson Smith, Roland Dyens, Fábio Zanon, Juan Francisco Padilla, Frank Bungarten, Mário Ulloa entre muitos outros. Em 2009, foi vencedor do XXVIII Concurso Latino Americano Rosa Mística na cidade de Curitiba-PR.

Programa:

Toru Takemitsu (1930 – 1996) – Equinox
Fernando Sor (1778 – 1839) – Sonata, op. 15b
Manuel M. Ponce (1882 – 1948) – Sonata no. 3
                                            I – Allegro non troppo
                                           II – Chanson
                                          III – Allegro no troppo
Miguel Llobet (1878 – 1938) – Scherzo-Vals
Fryderyk Chopin (1810 – 1849) – Valse (posthumous) op. 69, no. 2 (Arr. Roland Dyens)
Francisco Tárrega (1852 – 1909) – Gran Vals
Agustín Barrios (1885 – 1944) – Vals no. 3



Dia 20/11 - 18h

Gisa Pithan voz e violão

A artista gaúcha, radicada em Brasília, apresenta canções de seu segundo CD independente, No Meio do Mundo, lançado recentemente no Rio de Janeiro, com nove composições próprias, entre elas, Não queira saber a hora (vencedora do Festival do Descobrimento, Porto Seguro/BA, além do prêmio de melhor letra), Farinha do mesmo saco (com a participação do Bandoneon de Pelin Capobianco), No meio do mundo (música que dá nome ao CD), entre outras.

Também integram o repertório do show releituras de canções de Cazuza, Cássia Eller e Renato Russo.

GISA PITHAN – Na bagagem, o enorme desejo de levar sua musicalidade e a criatividade de seus arranjos despojados mundo afora. Assim a compositora, cantora e instrumentista se lançou, ancorando em Brasília por 10 anos, onde viveu e cativou o público em inúmeros shows que consagraram seu nome como referência musical da melhor qualidade, tendo, lá, produzido seu primeiro CD independente, no ano 2000. Neste CD, composições próprias como Etc e Tal, Por Um Fio, além de releituras como Bala com Bala (João Bosco/Aldir Blanc) e Feira Moderna (Beto Guedes/Fernando Brant).

Realizou shows em várias cidades do Brasil, entre elas: Rio de Janeiro, Porto Alegre, São Luiz, Manaus, Palmas, entre outras. Fez a abertura de vários shows: de Milton Nascimento, no 40º aniversário de Brasília, ao ar livre, na Esplanada dos Ministérios, promovido pela Rede Globo/SESC; do Festival de Jazz de Viena (Áustria); de reinauguração da Sala Funarte Cássia Eller, Brasília-DF, tendo dividido o palco com Gilberto Gil; no Projeto Carnafolia/Lapa, produzido pela RioTur, Rio de Janeiro.



Dia 06/11 - 18h

Raul Ellwanger canta poesia

O músico apresenta o trabalho dedicado à criação de canções sobre poemas preexistentes. “O poema quando é poema não pede nenhum acessório, até mesmo repele qualquer parceria”, garante o músico. “Exagerando, seria como dar um “acabamento” num óleo da Tarsila do Amaral”.

Tudo começou em Buenos Aires, quando Ellwanger recebeu do próprio Ferreira Gullar alguns poemas para musicar. Alguns deles chegaram a ser gravados: “Cantiga para não morrer”, “Um rei encantado” e “Te procuro lá”. Da pena de Mario Quintana, estão já em disco o clássico “O mapa” e “Solau à moda antiga”, que é cheio da picardia típica do poeta.

No repertório, ainda tem “Farewell”, do chileno Pablo Neruda; “Rosa-Luna”, “Fuerza de la manzana” e “Canción II de San Gregorio”, do uruguaio Washington Benavidez; “Teimoso e vivo”, de Nei Duclos; “Viejo lobo marino”, de Atílio Macunaíma da Cunha; e “Cortejo”, de Carlos Nejar. E canções ainda inéditas, com textos de Nei Duclós, Antonio Machado e Toni Guerrero. .

RAUL ELLWANGER  - Natural de Porto Alegre, é compositor, letrista, arranjador e cantor. Tem dez discos gravados e canções registradas por importantes intérpretes, como Elis Regina, Beth Carvalho, Mercedes Sosa, Eraci Rocha, Muni, Renato Borghetti, Hector Numa Moraes e Leon Gieco. Seus discos, lançados no Brasil, Argentina e Estados Unidos, contém significativas parcerias com Paulinho Tapajós, Ferreira Gullar, Jerônimo Jardim, Vicente Barreto, Mário Quintana, além de versões de Pablo Milanês, Leon Gieco e Alfredo Zitarrosa. Sua toada “Pealo de Sangue” foi eleita em votação popular uma das dez mais importantes da música do Rio Grande do Sul.

Participou de importantes mostras e festivais no estado, Rio de Janeiro, Paraná, na Argentina, no Paraguai, Uruguai, em Cuba, na França, Holanda, e em Portugal. Em 2010, apresenta seu novo disco “Cabeça, Corpo, Coração”, com arranjos próprios e participação de Monica Tomasi, Cristóvão Bastos, Verônica Condomí, Jota Moraes, Bethy Krieger, Gabriel Rivano, Luizinho Santos, entre outros.

Mais em www.raulellwanger.com.br

Fotos: Igor Sperotto



Dia 23/10 - 18h

Andrea Cavalheiro e Guiza Ribeiro em Tributo aos Beatles
Abertura: Catherine Céspedes (violão)


O Projeto Beatles foi criado pela cantora Andréa Cavalheiro e pelo guitarrista Guiza Ribeiro. Usando da técnica, do talento e dos novos arranjos, o duo cria releituras das canções do consagrado grupo de Liverpool. "Michele", "Pene Lane", "Black Bird", entre outras, estão no repertório deste show que agrada a todas as gerações.

Andrea Cavalheiro começou seus estudos musicais aos 11 anos, cantou em coros como da UFRGS e 25 de Julho, aos 20 anos passou a ser integrante da Hard Workng Band, que gravou 3 discos, fez shows por todo o pais e fora do pais. Trabalha a mais de 10 anos com eventos, casamentos, formaturas, canta em jingles publicitários, já fez muitas apresentações para clientes como: Gerdau, RBS, Fiat, e muitos outros. Atualmente trabalha na produção do seu disco solo.

Guiza Ribeiro é um jovem talento porto alegrense; aluno aplicado dos mestres Teko Gaspar e Julio “Chumbinho” Herrlein, passeia por todos os gêneros do pop ao jazz; já dividiu palco com grandes figuras da música gaúcha e brasileira como Sérgio Rojas, Luciah Helena, Otto Gomes, Thiago Corrêa, Nalanda, Luka, Tonda y su combo, Renato Borghetti, Jorginho do trompete, entre muitos outros grandes artistas do nosso estado e do nosso país.

Catherine Céspedes
é natural da Costa Rica, formanda em violão pelo Instituto de Artes da UFRGS, sob a orientação do Dr. Daniel Wolff. Iniciou seus estudos na Escuela de Artes Musicales da Universidade de Costa Rica e participou da Orquestra de Guitarras desta mesma instituição, orientada pelo maestro Luis Zumbado. Integrante do Duo Cordis, desenvolve projetos didático-musicais a través da música para duo de violões.



Fotos: Igor Sperotto


Dia 09/10 - 18h

Simone Rasslan em Saudosa Maloca
Abertura: Guilherme Sperb (violão)


João Rubinato, está de aniversário! Um século de vida!
Quem? Ele adotou o pseudônimo de Adoniran Barbosa em 1935, em homenagem aos amigos Adoniran Alves e Luís Barbosa. Nasceu em Valinhos, estado de São Paulo, no dia 6 de agosto de 1910. Foi o sétimo filho de um casal de imigrantes italianos, vindos de Veneza. Estudou, um tanto quanto forçado, até o terceiro ano primário na cidade de Jundiaí(SP). Fez de tudo na vida. Entregador de marmitas, varredor em fábrica, foi tecelão, pintor, encanador, serralheiro, garçom, mascate vendendedor de meias. Foi por andar muito que se acostumou a compor andando. Adoniram foi um homem simples, que traduziu muito do povo brasileiro nas suas canções e nada mais justo que seja relembrado e cantado por todos.

Simone Rasslan, trás para o palco da Fundação Ecarta uma mala cheia de sambas desse paulista. Ela vem com seu teclado, sua voz e seu pandeiro, e promete cantar os sucessos do compositor. Como ele mesmo dizia: “Eu gosto dos meninos destes tal de iê-iê-iê, porque com eles, canta a voz do povo. E eu que já fui uma brasa, se assoprarem posso acender de novo .


Simone Rasslan - Cantora, pianista, compositora e arranjadora no CD do grupo instrumental Quebra-Cabeça (1993), no CD e no show “Adriana Marques e Bando Barato pra Cachorro” (1997), no CD “A Mulher Gigante (grupo Cuidado Que Mancha Infantil – 1998), no CD “Rádio Esmeralda, uma jóia no ar”(2003), no CD “Na trilha da fantasia”- Seleção de músicas de peças infantis da Cia Teatro Novo. (2008), DVD Um Lugar no Mundo (Fumproarte/RS, 2007), no CD “Ouvindo coisa” (1998).
Em espetáculos musicais, participou de “RÁDIO ESMERALDA AM - Uma jóia no ar!”, juntamente com Adriana Marques e Hique Gomez, com direção e concepção de Hique Gomez; fez a direção musical de “Lorquianas”, com direção cênica de Roberto Birindelli; fez idealização musical do espetáculo “Mulher no palco”, uma performance poética sobre poemas de Lia Luft com direção cênica de Lígia Riggo.
Em teatro, trabalhou na criação e execução de trilhas, como “O assassinato de miss Ágatha”, com direção de Élcio Rossini, juntamente com Gustavo Finkler; e “Os fuzis da Senhora Carrar”, de Jessé Oliveira.
Ganhou vários prêmios, dentre eles, o Açorianos de Música, na categoria Cantora Revelação MPB de 1999; do prêmio Tibicuera de Teatro Infantil de 2005, na categoria Trilha Sonora Original por Pandolfo, O Príncipe da Bestolândia de Eva Furnari; e o prêmio Quero Quero de Teatro Infantil de 2006, na categoria Trilha Sonora Original por Tempestade de Willian Shakespeare.

Guilherme Sperb - Atualmente, cursa Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Música dessa mesma instituição na sub-área de Práticas Interpretativas. Nos últimos anos, realizou masterclasses e cursos com importantes nomes do seu instrumento. Em 2009, foi vencedor do XXVIII Concurso Latino Americano Rosa Mística na cidade de Curitiba-PR.

Fotos: Igor Sperotto




Dia 18/09 - 18h

Marietti Fialho em Música Preta Brasileira
Abertura: Christian Menegaz e Fernando Ávila são alunos do professor Adriano Persch, no Curso Básico de Música da FUNDARTE, no instrumento Acordeon

De volta as pagos, depois de divulgar seu trabalho no Rio de Janeiro, Marietti apresenta seu novo show com repertório que inclui além de músicas de seu cd “Eu vou a luta”, outras composições de músicos gaúchos e da MPB mostrando sua versatilidade, força e suingue. Rafael Santos acompanha no violão.











Fotos: Igor Sperotto



Dia 04/09 - 18h

Tássia Minuzzo e Matheus Kleber
Abertura: Eduardo Pastorini

No sábado, 4 de setembro, às 18h, os ares da França tomarão conta da Fundação Ecarta (Av. João Pessoa, 943). A primeira edição do mês do Ecarta Musical terá como atração o recital Canção Francesa, com a cantora Tássia Minuzzo, acompanhada do acordeonista Matheus Kleber. O trabalho, iniciado em 2008, tem um repertório composto por músicas interpretadas por Edith Piaf, como Mon Légionnaire, La valse de l’amour, Notre Dame de Paris, La goulante du pauvre Jean, L’accordeoniste, La mer, Elle a dit, Mon Homme, Les Momes de La cloche, Sous le ciel de Paris, Les Feuilles Mortes, Johnny tu ne pas um ange e Hymne à l’amour..


Os artistas

Tássia Minuzzo iniciou seus estudos de piano aos 12 anos. Atualmente, é aluna do sétimo semestre da graduação do mesmo instrumento na UFRGS. No trabalho iniciado em 2008 em torno de músicas francesas interpretadas por Edith Piaf, passou a interagir com uma nova cultura, permitindo-se apreciar este novo estilo e acrescentar em seu repertório o romantismo e o glamour que essas canções oferecem. No dia 21 de junho de 2009, foi vencedora do Segundo Festival da Canção Francesa, promovido pela Aliança Francesa de Porto Alegre. Após o prêmio, foi convidada para se apresentar em diversos lugares, como no restaurante Chez Philippe e na Sogipa. No dia 14 de outubro de 2009 participou com grande sucesso do Musical Petropar, realizado no foyer do Theatro São Pedro.

Matheus Kleber nasceu em Montenegro, onde começou os estudos musicais na Fundarte. Em 2006, radicou-se na capital gaúcha, onde terminou sua graduação em Composição pela UFRGS, tendo como orientador o professor Antônio Carlos Borges Cunha. Juntamente com o músico Pedro Franco, acaba de lançar “Ida”, primeiro CD com composições próprias. Também integra o grupo Xquinas, que lançou o DVD “Xquinando na Travessa Azevedo”. Atua ao lado de nomes consagrados da música gaúcha, como Marcelo Caminha, Angelo Primon, Marcelo Corsetti e Nicola Spolidoro.

Recital de abertura
O recital de abertura do Ecarta Musical ficará por conta do bacharel em violão pela UFRGS Eduardo Pastorini. Atualmente, cursa o mestrado do Programa de Pós Graduação em Música na área de Práticas Interpretativas, recebendo orientação de Daniel Wolff e da organista Any Raquel Carvalho.


Fotos: Igor Sperotto



Dia 21/08 - 18h
Celso Krause
Abertura: Flautarium

Apresentação do músico pelotense Celso Krause, baseada em repertório próprio e algumas releituras como: K.Jarret e Egberto Gismonti. A performance tem como norte de seu trabalho a criatividade, o suingue e interpretação livre, inspirada no free jazz, na música popular brasileira e em outras formas de manifestação da música popular mundial, como o rock e o blues.

Participações Especiais: Iria Isabel Barcelos (voz) e Roger Canal (trompete e efeitos) No repertório, Country (K. Jarrett); Never Too far Away (P. Metheny); Rag, Pulsar e Hippie Pop (Krause); O Sonho e Palhaço (Egberto Gismonti); James (P. Metheny/L. Mays); Round Midnight (T. Monk) e The Unknown Dissident (J. Mc Laughlin).


Flautarium: Criado em 1998 e coordenado pela professora Dra. Lucia Carpena, o conjunto é formado por alunos de Graduação do curso de Música da UFRGS e se dedica ao estudo e à divulgação do repertório da flauta doce. Entre as obras estudadas estão peças do repertório original para o instrumento e também arranjos nos mais variados estilos musicais.

Fotos: Igor Sperotto




Dia 07/08 - 18h

Flávio Brasil
Abertura: Luana Pacheco

O primeiro Ecarta Musical de agosto acontecerá no sábado, dia 7, às 18h. Desta vez, o show será um sarau poético a cargo do cantor, compositor e poeta Flávio Brasil. Ele apresentará canções de dois trabalhos próprios: do CD "Que gaúcho é esse que não toma mate?" e do livro/CD "Poesia Sentida", a primeira publicação de poemas em tinta, Braille e áudio do Brasil. O espetáculo terá a participação especial do pianista Michel Dorfman.

Mais informações em:
www.flaviobrasil.com.br


Luana Pacheco - A aluna da UFRGS que fará a abertura foi a cantora vencedora do terceiro Festival da Canção Francesa, da Aliança Francesa de Porto Alegre.








Fotos: Igor Sperotto




Dia 24/07 - 18h
Luciana Pauli e Ricardo Cordeiro em Doistóque
Abertura: Felipe Magdaleno (violão)

Harmonias brasileiras, sopros jazzísticos, levadas latinas e postura rock’n’roll. Vindos de experiências musicais diversas Luciana Pauli (voz) e Ricardo Cordeiro (violão) se encontraram justamente onde a emoção e a técnica também se cruzam. Antes da Doistóque, ambos trilharam caminhos que, apesar de diferentes, tinham em comum a conquista do público e de alguns prêmios pela qualidade das suas produções e principalmente pela energia visceral presente em seus trabalhos. O nome Doistóque se refere a esta química inicial que é potencializada por outras parcerias que se unem ao projeto. O repertório traz canções próprias e algumas versões passando com estilo e interpretação surpreendentes por temas da MPB, do jazz, do rock’n’roll e do pop. Confira mais em www.myspace.com/doistoquee.

REPERTÓRIO

ECT (Marisa Monte/Carlinhos Brown/Nando Reis), Sobrepostos e Nada (Ricardo Cordeiro), Miss Celie’s Blues (Quincy Jones), Falta (Amaro Neto/Luciana Pauli), A Chama (Ricardo Cordeiro/Letícia Wierzchovisk), Blue moon (Richard Rodgers/Lorenz Hart), You Know I’m no good (Amy Winehouse), A felicidade e Dindi (Tom Jobim/Vinícius de Moraes), Night and day (Cole Porter), A história de Lili Brown (Chico Buarque/Edu Lobo), Summertime (George Gershwin), Samba e amor (Chico Buarque), Samba Dois (Marcelo Camello), O Vento (Ricardo Cordeiro/Luciana Pauli), Por todos os caminhos (Ricardo Cordeiro/Amaro Neto/Luciana Pauli).)

Felipe Magdaleno (violão) - Natural de Porto Alegre, iniciou seus estudos musicais aos 15 anos. Participou ativamente de diversas master-classes com músicos de renome, tais como Leo Brouwer, Fábio Zanon, Eduardo Isaac, Paul Galbraith e Frank Bungarten. Desde 2007 é aluno de música na UFRGS, sob a orientação de Paulo Inda. Atualmente é professor no curso de Extensão em Música da UFRGS.

Fotos: Igor Sperotto




Dia 10/07 - 18h
Pedro Huff – Um Violoncelo na Garoa
Abertura: Quarteto de Flautas ARSIS

A apresentação enfoca o violoncelo solo em um repertório que explora a fronteira entre o popular e o erudito. Todas as peças do repertório contêm aspectos emprestados da canção ou de ritmos do folclore do Brasil, ou da dança. Traz composições de Pedro Huff, que tem a finalidade de mostrar o lado mais simpático e despretensioso do instrumento; e também trabalhos do barroco J. S. Bach – peças compostas há quase trezentos anos, todas elas em ritmos de diferentes danças que estavam na moda naquele tempo.


PEDRO HUFF – formado em violoncelo pela Escola de Musica de Belas Artes do Paraná (Embap). Atualmente, reside nos Estados Unidos (mas sempre passando pelo menos uma boa parte do ano no Brasil), onde terminou seu mestrado em violoncelo na Universidade do Tennessee (UT) e cursa o doutorado na Universidade de Louisiana (LSU). Pedro já participou de diversas orquestras no Brasil, entre elas a Ospa e a Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP); e nos Estados Unidos, na Orquestra Sinfônica de Baton Rouge (BRSO). Pedro também tem se apresentado frequentemente em recitais solo e também de musica de câmara.


REPERTÓRIO

Pedro Huff:
Valente (choro), Despretencioso (choro), Em Sete Milonga-chamame, Rondo, Astoriana (tango), Passo do Fiuza (choro), Suburbio, Estudo no. 1, Estudo no. 2

J.S.Bach:
Alemanda em sol maior, Corrente em do maior, Sarabanda em re menor, Bourre em do maior, Corrente em sol maior, Giga em do maior.

Quarteto de Flautas ARSIS - Propõe a divulgar o repertório escrito para o instrumento, suas sub-formações e possibilidades sonoras. Formado por alunos de graduação do Departamento de Música do Instituto de Artes da UFRGS o grupo apresenta repertório que abrange distintos períodos (do barroco ao contemporâneo) e gêneros musicais (da música culta à música popular).
Integrantes:
Ana Carolina Magalhães Bueno, Michele Santana Mânica, Ianes Gil Coelho, Prof. Leonardo Winter, Andre Mendes Santos- flauta

Fotos: Igor Sperotto



Dia 19/06 - 18h
Daniel Castilhos e Lucas Volpatto em Conversa com acordeon e violão
Abertura: Sabrina Franco Fonseca de Abreu(violancelo) e Barbara Ziel(violancelo)


O projeto Conversa com Acordeon e Violão surgiu no ano de 2008 do encontro entre dois jovens músicos, que viram na união de seus instrumentos uma possibilidade de experimentar uma nova sonoridade em se tratando da música de câmara. O duo realiza pesquisa e produção de arranjos inéditos para esse tipo de formação, tendo em vista a dificuldade de encontrar peças originais escritas para tal. A escolha do repertório ocorre a partir de pesquisa, que busca valorizar compositores latino-americanos de diferentes épocas, mas cuja obra transita pelos estilos erudito e popular.

No repertório:
Revirado, Café 1930/Suíte História do Tango, Mionga en Re, Libertango e Bordel 1900/Suíte História do Tango (Astor Piazzolla); Chiquinha Gonzaga/Suíte Retratos; A French Touch (Richard Galliano); e Sambadalú e Bate-Coxa (Marco Pereira).


Fotos: Igor Sperotto



Dia 05/06 - 18h
Gnattali Ensemble
Abertura: DuoAriel - Marcel Estivalet e Daniel Müeller


Três experientes músicos portoalegrenses, que já se conheciam de longa data, decidiram em 2009 unir os esforços para explorar a sonoridade de uma formação camerística incomum: o trio formado por Artur Elias (flauta transversa), Cosmas Grieneisen (viola de arco) e Paulo Inda (violão). Surgiu daí o Gnattali Ensemble, que, com menos de um ano de existência, já tem em sua bagagem vários recitais em Porto Alegre, uma turnê pelo sul da Alemanha e Suíça, e projeta outras realizações para o futuro próximo.

O show foi totalmente dedicado à música brasileira: autores brasileiros já explorados pelo grupo, como Pattapio Silva, Joaquim Callado e Alberto Nepomuceno; e a estreia importante da peça em três movimentos “Winter Impressions” (Impressões de Inverno), do brilhante compositor e violonista Sérgio Assad. O repertório é totalmente brasileiro, e encerra com música de Radamés Gnattali, compositor homenageado no nome do grupo.

DuoAriel é formado pelos violonistas Marcel Estivalet e Daniel Müeller. A partir da prática de uma disciplina acadêmica do curso de bacharelado em Música da UFRGS, o duo viu a possibilidade de apresentar para a sociedade o trabalho desenvolvido. Ambos músicos com profundo aprimoramento musical, das atividades acadêmicas, passando por professores de renome internacional, até a prática cotidiana da música popular, eles fazem do duo uma oportunidade de apreciar as sonoridades envolventes do violão.

Fotos: René Cabrales




Dia 22/05 - 18h
Márcio Celi e Roberto Haag em De Bossa em Samba
Participação especial de Jefferson Marx (violão)

Abertura: Marcel Bauer Estivalet


O encontro de Márcio Celi (voz) e Roberto Haag (voz e violão), compositores e intérpretes, artistas com trabalhos musicais distintos, mas inspirados nas mesmas paixões - o samba, a MPB, a composição, o canto essencial.

O show apresenta composições próprias e canções de Dorival Caymmi, Marina, Assis Valente, Roberto Carlos e Erasmo Carlos, entre outros.

REPERTÓRIO - De Samba em Bossa, Uma Bossa, Bem no Fim, Recado pra Oxum (Márcio Celi), Sambamba (Márcio Celi e Danni Calixto); Olhos frios, Cartas marcadas, Samba pra você, Quando você precisar (Roberto Haag); Marina, Quem vem pra beira do mar, Samba da minha terra (Dorival Caymmi); Ilusão à toa (Johnny Alf), Milhares de sambas (Ana Carolina), Nuvem negra (Djavan), Feitio de oração (Noel Rosa, Vadico), E o mundo não se acabou (Assis Valente), Lígia (Tom Jobim), A banca do distinto (Billy Blanco); Samba da benção (Baden, Vinicius); e Olha (Roberto e Erasmo Carlos).

MÁRCIO CELI - Compositor e intérprete, estreou em 1990 nos palcos do Porto de Elis e Teatro Renascença, em Porto Alegre, com o show Bem Agosto, dirigido por Patsy Cecato. Em Outubro de 1998, lança o seu primeiro CD: Um Novo Tom e participa da coletânea paulista Novos Caras da MPB, da Borage Diskos. No mesmo ano, idealiza a Primeira Mostra de CDs Independentes de Porto Alegre, juntamente com Flora Almeida e Nanci Araújo; conquistando o Troféu de Menção Honrosa no Prêmio Açorianos de Música. Celi está em estúdio gravando seu terceiro CD com composições próprias e parcerias com Danni Calixto e com Zé Caradípia.

ROBERTO HAAG - Compositor, cantor e violonista, nasceu em Porto Alegre. Foi selecionado como compositor, por Roberto Menescal e Billy Blanco, para o projeto Talento Socinpro 1999. Estudou violão (Harmonia e Improvisação) no Centro Musical Antonio Adolfo (Rio de Janeiro). Gravou a canção “Olhos Frios” no Estúdio Fibra (Rio de Janeiro) com produção do pianista Antonio Adolfo. Teve músicas classificadas em diversos festivais, como o 2º Festival de Música do Centro Musical Antonio Adolfo/Rio (1998) - 1º lugar; e o 11º Festival de MPB de Tatuí/SP (2002). Participou do recém lançado CD Ângela Jobim interpreta Sérgio Napp.

JEFFERSON MARX – É guitarrista, violonista, compositor, arranjador e educador. Produziu e gravou a trilha sonora do documentário de skate A técnica dos Campeões, editado pela Manchete Vídeo do Rio de Janeiro. Participou como músico instrumentista nos discos de Maria Lúcia, Marcos Ungaretti, Fernando Giraffa, Fábio Milman, DNA Mc's, Yoli Planagumá, New, Luis Mauro Vianna e Marcelo Ribeiro. Como arranjador e instrumentista, participou dos discos de Márcio Celi, Yoli Planagumá e Jean Melgar. Em 2008, gravou seu primeiro DVD de música instrumental com suas composições.

Fotos: Roberto Furtado



Dia 08/05 - 18h
Daniel Wolff interpreta compositores brasileiros
Abertura: Julio Cechelero, estudante de violão


O violonista e compositor Daniel Wolff apresenta em Porto Alegre o repertório de sua última turnê européia, com concertos na Itália, Alemanha e França. Arranjos de obras de compositores brasileiros como Ernesto Nazareth e Egberto Gismonti serão apresentados junto a composições originais do gaúcho Fernando Mattos e do próprio Daniel. Uma peça do boliviano radicado no Brasil, Jaime Zenamon e a estréia gaúcha da adaptação de Daniel do Allegretto, da Sétima Sinfonia de Beethoven, também estão no programa.

Repertório:
Fernando Mattos - Poemeto
Jaime Zenamon - Soñando de Alegria
Daniel Wolff - Estudo sobre o Allegretto, op. 92, de Beethoven
Ernesto Nazareth (arr. D. Wolff) - Brejeiro / Odeon
Egberto Gismonti (arr. D. Wolff) – Água e Vinho
Daniel Wolff - Scordatura os.








Dia 24/04 - 18h

Rô Bjerk e Ricardo Fragoso em Canções de Nós


A cantora Rô Bjerk e o compositor e instrumentista Ricardo Fragoso apresentarão 12 canções assinadas por Fragoso, parte delas composta durante o período em que viveu em Paris, sendo quatro em parceria com o poeta gaúcho Martin César. Dentre elas, Desde o Cais de uma Janela (letra de Martin César), vencedora do 12º Festival de Música de Porto Alegre; e Tempo de Espera, prêmio de Melhor Intérprete e de Melhor Instrumentista do 11º Festival de Música de Porto Alegre.

Rô Bjerk e Ricardo Fragoso atuam juntos desde 2004. Abriram shows de algumas personalidades importantes da MPB, como Jardes Macalé e Vânia Bastos. Além de composições próprias eles interpretam compositores como Gonzaguinha, Ary Barroso, Caetano Veloso, Joyce, Chico Buarque, Lupicínio Rodrigues, Tom Jobim, entre outros. Em 2008, foram finalistas do 11º Festival de Música de Porto Alegre com Tempo de Espera, de autoria de Ricardo Fragoso, recebendo o prêmio de Melhor Intérprete para Rô Bjerk e Melhor Instrumentista para Paulinho Cardoso.

RÔ BJERK – Iniciou sua vivência musical em 1994, no Coral da UFRGS. Atuou também no Coral do Sesc de Porto Alegre durante quatro anos, compondo o naipe de sopranos. Foi cantora no Vocal Mandrialis por três anos, período em que estava em cartaz o espetáculo cênico Tangos, Boleros y Otras Cositas Más.

RICARDO FRAGOSO – Em 1982 começou a buscar seu caminho musical. Atuou, principalmente, em bares e teatros de Porto Alegre, na Região Sul do Estado e em Florianópolis. Em 1997 foi finalista do concurso do Fumproarte (Prefeitura Municipal de Porto Alegre) com o projeto Correndo nas Cordas. Residiu e trabalhou em Paris de 1998 a 2003, onde integrou o grupo Luanova. O período também foi rico em composições próprias, algumas das quais estão no CD Viagem do Som. De volta ao Brasil, teve participação nos CDs dos compositores pelotenses Ana Mascarenhas (Depois de Julho) e Beto Porto (Por Ande Andas). Atualmente, trabalha na finalização do CD que registra várias de suas parcerias com o poeta e escritor gaúcho Martin César.

Fotos: René Cabrales


Dia 10/04

Monica Tomasi - Voz e violão



A cantora e compositora mostra um trabalho consistente de uma artista em constante evolução.

O vigor pop, porém inteligente, que caracteriza suas composições e as composições que ela escolhe pra cantar estão aqui, muitíssimo bem postas nesse formato “voz e violão” onde expõe bem o coração da canção – e o coração de quem canta.


REPERTÓRIO – O repertório do show intercala canções seus Cds, releituras de Arnaldo Antunes, Thom Yorke, Herivelto Martins, além das parcerias inéditas com a escritora Fernanda Young e o cineasta Wim Wenders: Me ache, O tempo das pessoas, Dali no carnaval (Monica Tomasi); Para lá (Arnaldo Antunes/Adriana Calcanhotto); La nave va (Monica Tomasi/Laura Finocchiaro); No Surprises (Thom Yorke); Trilhos (Monica Tomasi/Ribah Nascimento), As besteiras (Monica Tomasi/Fernanda Young), Negue (Adelino Moreira/Enzo de Passos); Meu rádio meu mulato (Herivelto Martins); Samba da identidade – Monica Tomasi/Win Wenders)


MONICA TOMASI - Com quatro Cds gravados e participações nos CD Lua Caiada, de Nelson Coelho de Castro, DVD e CD Cidadão Quem, Monica também produz trilhas para teatro.

A trilha de “A Comédia dos Erros” ganhou o Prêmio Açorianos de Teatro em 2009.





Fotos: René Cabrales



Dia 27/03
Confraria do Sax
No repertório, música barroca, jazz, choro, tango, trilhas consagradas pelo cinema


Formado em 2002, é integrado por Amauri Iablonovski (saxofone soprano), bacharel em Flauta, professor de saxofone da UFRGS; Vinicius Netto (saxofone alto), bacharel em Saxofone pela UFRGS; Marcos Anschau (saxofone tenor), concluindo o curso de bacharel em saxofone pela UFRGS; e Rodrigo Siervo (saxofone barítono), bacharel em Saxofone pela UFRGS.












Fotos: René Cabrales



Dia 13/03
Quinteto Persch
No repertório, Astor Piazzolla, Claudio Santoro, Antonio Vivaldi, Gioacchino Rossini
e Wolfgang Amadeus Mozart



Foto: Cláudio Etges
Em atividades desde 1999, tem como objetivo difundir o acordeon através da música de câmara. É formado por André Machado, Luciano Rhoden, Adriano Persch, Daniel Castilhos e Fernando dos Santos. No repertório, Astor Piazzolla, Claudio Santoro, Antonio Vivaldi, Gioacchino Rossini e Wolfgang Amadeus Mozart.

Saiba mais >>>









Fotos: René Cabrales




Confira como foram as programações anteriores:

Fundação Cultural e Assistencial ECARTA
Av. João Pessoa, 943 - Porto Alegre - RS - Brasil - Fone: 51-4009.2970
© Copyright 2005 - 2011 Todos os direitos reservados (All Rights Reserved)