Especiais




Temporada 2016







NOTA PÚBLICA
Repúdio à sanção
do Governo para
extinção das
fundações estaduais

Nome: 
E-mail: 
 
 
Em Dezembro
11/12 | 18h30 | Entrada franca
Demétrio Xavier recebe o recitador e folclorista argentino Golondrina Ruiz
Local: Fundação Ecarta (Avenida João Pessoa, 943 – Porto Alegre)
Foto: Divulgação
Golondrina Ruiz |Foto: Divulgação

Nova edição do projeto Cevadas de Palavra apresenta a obra cultural produzida por Golondrina Ruiz, da Argentina. A atividade faz parte do projeto do novo disco do músico e radialista Demétrio Xavier, intitulado Cantos do Sul da Terra.

Argentino da província de Mendoza, a saga da formação cultural de Golondrina Ruiz começa no lombo de um cavalo, em 1973. Interessado pela diversidade, pelos ditos e pelos ritos locais, o folclorista viajou a região durante seis anos e suas experiências injetaram nele o ritmo que traduz na arte como recitador, cantautor folclórico, roteirista, ator e diretor de espetáculos. São esses conhecimentos que Golondrina Ruiz vem compartilhar em Porto Alegre, no evento Cevadas de Palavra, capitaneado pelo cantor e radialista Demétrio Xavier.

O Cevadas de Palavra já apresentou ao público porto-alegrense artistas como os argentinos Raúl Noriega, percussionista de bombo legüero e Laura Peralta, pesquisadora e cantora, além da cantora e violonista uruguaia María Elena Melo. Eles estiveram na Capital participando das gravações do disco que comemora os trinta anos de carreira do músico Demétrio Xavier. No repertório do álbum Cantos do Sul da Terra estão composições próprias e obras do cancioneiro de inspiração folclórica do Brasil, Uruguai, Argentina e Chile.

O projeto conta ainda com as participações de artistas gaúchos Marco Aurélio Vasconcellos e Marcelo Delacroix. A produção musical do álbum é do flautista e arranjador Pedrinho Figueiredo. O disco Cantos do Sul da Terra, que tem financiamento do Fumproarte (Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural), está sendo gravado em Porto Alegre e tem previsão de lançamento para 2017.

Na Fundação Ecarta, a proposta é ampliar o diálogo entre os artistas e os ritmos, em uma conversa animada pelos conhecimentos, as músicas e as histórias dos convidados.

GOLONDRINA RUIZ – É o pseudônimo de Rafael Ricardo Ruiz (Argentina, 1947). Atua como folclorista, recitador e difusor cultural. Seu trabalho cultural também abrange atuações como roteirista, ator e diretor, sobretudo na Festa Nacional da Vindima, da Província de Mendoza, na Argentina.

DEMÉTRIO XAVIER – Cantor, radialista e violonista porto-alegrense especializado na pesquisa e interpretação do nativismo platino. Atuando no Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina, Demétrio Xavier enfatiza seu trabalho na obra do mestre maior do gênero, Atahualpa Yupanqui, a quem conheceu pessoalmente, em Buenos Aires, em 1990. Em 1998, o músico gravou o CD independente Camino – Demétrio Xavier interpreta Atahualpa Yupanqui. Em 2005, lançou o álbum duplo O Pajador Perseguido, com a gravação da versão em espanhol e de tradução para o português do grande poema de Yupanqui. A tradução é de autoria de Demétrio e mereceu a apresentação do poeta Carlos Nejar, da Academia Brasileira de Letras. Em 2009, Demétrio Xavier venceu, ao lado de Marco Aurélio Vasconcellos, a 36ª Califórnia da Canção Nativa, festival de música nativista, realizado em Uruguaiana (RS), com “A Sanga do Pedro Lira“. Desde setembro de 2011, Demétrio Xavier produz e apresenta o programa Cantos do Sul da Terra, na rádio FM Cultura de Porto Alegre.

Em Outubro
8/10/2016 | 20h | R$ 30,00, na bilheteria
Dany López apresenta Polk
Local: Teatro CIEE (Rua Dom Pedro II, 861 – Porto Alegre)
Foto: Reinaldo Altamirano
Polk Hugo Balzo |Foto: Reinaldo Altamirano

Compositor, instrumentista, arranjador e produtor artístico uruguaio, além de ter realizado música para teatro, música para instalações de artes visuais e acompanhar um vasto número de compositores e intérpretes como pianista e tecladista, Dany López já produziu mais de 15 álbuns, destacando-se entre eles Mar Abierto, de Daniel Drexler, que recebeu o prêmio Gardel 2013 por Mejor Álbum Artista Canción Testimonal y de Autor.

Polk é um neologismo criado por Dany López para descrever um universo de modos culturais, de formas de perceber o mundo e de fazer arte. O popular e o folclórico (como fenômeno regional), o pop e o folk (como fenômeno universal), integrados em um termo que resulta em uma plataforma integradora: um lugar de inclusões. A ideia é integrar polaridades, transcender divisões e categorias, entendendo que, em última instância, os reducionismos e as exclusões terminam nos empobrecendo. Desde esse ponto de partida, Polk é um posicionamento.

Polk CD

O repertório do disco inclui e transcende regionalismos, entrelaçando-os ao rock e ao pop, e conta com a participação de Vitor Ramil, Zeca Baleiro, Queyi (ES) e Mariana Baraj (AR). O repertório incluirá algumas canções do primeiro disco de Dany López, Acuario, e contará com a participação especial de Juliana Cortes, Marcelo Delacroix, Giovani Berti, Angelo Primon e Trem Imperial.

O disco está disponível para escuta gratuita no Bandcamp (https://danylopez.bandcamp.com).

MÚSICOS
Dany López (voz, guitarra elétrica, violão e teclado)
Eduardo Mauris (guitarra elétrica, violão e voz)
Gerardo Alonso (baixo e voz)
Gerónimo de León (bateria)
Palito Elissalde (guitarra elétrica)


13/10/2016 | 19h
Trio à Brasiliana
Local: Fundação Ecarta (avenida João Pessoa, 943), Porto Alegre
Foto: Jaqueline Trindade
Trio à Brasiliana | Foto: Jaqueline Trindade

O Trio foi formado em 2015, pela cantora Carolina Braga, o flautista Rafael Marques e o violonista Adriano Flesch durante a disciplina de Música de Câmara no Instituto de Artes da Ufrgs, sob a orientação dos professores Adolfo Almeida e Fernando Gualda. A proposta do grupo é difundir a música de câmara de repertório brasileiro, trazendo em seus concertos a diversidade de gêneros e estéticas tanto populares quanto eruditas do Brasil, dos séculos XIX ao XXI.

O repertório inclui peças de compositores como Chiquinha Gonzaga, Sinhô, passando por grandes sucessos do samba e bossa nova de Chico Buarque, Tom Jobim, Baden Powell, Luiz Bonfá além da música de concerto de compositores como Dimitri Cervo, Cláudio Santoro, Breno Blauti, Daniel Wolf, Guinga entre outros.

ADRIANO FLESCH | Violonista. Formou-se em 2012 no curso técnico em Música das Faculdades EST de São Leopoldo. Participou como executante em masterclasses dos músicos Guinga, Turíbio Santos, Stanley Yates, Edelton Glöden e Eduardo Fernandes. Está no 8º semestre do bacharelado em Violão na Ufrgs, orientado pelo Dr. Daniel Wolff. Estreou peças de Daniel Mendes, e ao lado do violinista Ângelo Mello e do barítono Guilherme Roman, estreou uma canção de Fernando Mattos. Professor de violão na região metropolitana de Porto Alegre e concertista em diversos estilos musicais.

CAROLINA BRAGA | Cursando o último semestre de bacharelado em canto lírico na Ufrgs na qual foi aluna da professora Luciana Kiefer e atualmente está sob orientação do professor Flávio Leite. Na universidade, trabalhou em pesquisas voltadas para o canto popular e atuou cantando esse tipo de repertório com alguns grupos de Porto Alegre. Participou de montagens de óperas na universidade e apresentou-se como solista na última montagem feita em 2016. Tem participado de Master Classes com cantores que atuam no meio operístico, e de festivais de música com foco no canto lírico.

RAFAEL MARQUES | Formado em Flauta Transversal pela Escola de Música do Instituto Popular de Arte-Educação Ipdae, está no 8º semestre da graduação em Flauta Transversal do Instituto de Artes da Ufrgs e integra o naipe de flauta transversal da Orquestra de Sopros Eintracht, de Campo Bom, RS. Em 2012, Marques foi um dos vencedores do Concurso Jovens Solistas da Orquestra de Câmara Fundarte, da Fundação Municipal de Artes de Montenegro. A partir de 2015 passou a integrar o elenco de monitores do Curso de Extensão em Música da Ufrgs, na classe de flauta transversal e também o elenco de professores da Escola de Música Ipdae.


15/10/2016 | 17h | Entrada Franca
Gelson Oliveira apresenta O Ônibus do Sobe e Desce
Local: Fundação Ecarta (Avenida João Pessoa, 943 – Porto Alegre)
Foto: Joana Moreira
Gelson Oliveira apresenta O Ônibus do Sobe e Desce |Foto: Joana Moreira

Gelson canta, acompanhado de seu violão, as músicas de seu CD infantil O Ônibus Do Sobe e Desce (Prêmio Açorianos de Melhor CD Infantil, 2014/2015). No repertório, músicas de sua autoria: Cavalo Azul, O Ônibus do Sobe e Desce, Boneca e Bola, Passarinho Cantador, Barquinho de Papel, Ela é Tão Bonita, Pula Corda, Lá Vai o Avião, Entre Nessa Roda, Papagaio Pandorga, abertura do programa Pandorga da TVE/RS.

GELSON OLIVEIRA | Cantor e compositor, com 30 anos de carreira. Considerado um dos maiores compositores de sua geração, acumulou em sua carreira vários álbuns gravados, assim como outros em parceria com colegas, além de participações especiais em trabalhos de amigos. Gravou ou dividiu o palco com Antônio Villeroy, Nelson Coelho de Castro, Bebeto Alves, Borguetinho, Gilberto Gil e Chico César. Prêmios recebidos pelo compositor: Troféu Açorianos, Prêmio da Música Brasileira, Prêmio Fiat de Música, Medalha de Porto Alegre e Prêmio Lupicínio Rodrigues. Recebeu o Troféu Açorianos 2014/2015, na categoria Melhor CD Infantil, pelo seu álbum O Ônibus do Sobe e Desce.


Em Setembro
27/9/16 | 19h | Entrada Franca
Demétrio Xavier recebe a intérprete argentina Laura Peralta
Local: Fundação Ecarta (Avenida João Pessoa, 943 – Porto Alegre)
Foto: Divulgação
Demétrio Xavier recebe a intérprete argentina Laura Peralta | Foto: Divulgação

O encontro faz parte do projeto do novo disco de Demétrio Xavier, músico e compositor, intitulado Cantos do Sul da Terra, que marcará os 30 anos de carreira do artista. Esses encontros são chamados de Cevadas de Palavra. A proposta é ampliar o diálogo entre os artistas e os ritmos, em uma conversa animada pelos conhecimentos, as músicas e as histórias dos convidados.

Laura Peralta interpreta variadas formas melódicas do noroeste da Argentina, em especial, a “baguala”: um canto montanhês da região próxima à Cordilheira dos Andes, no qual o cantor se acompanha com a percussão da "caja bagualera”, um tambor de som seco e agreste como o canto que o acompanha. O projeto conta com as participações de artistas gaúchos - como Marco Aurélio Vasconcellos e Marcelo Delacroix – e dos hispano-americanos Raúl Noriega, Laura Peralta e Golondrina Ruiz, da Argentina, e María Elena Melo, do Uruguai. A produção musical do álbum é do flautista e arranjador Pedrinho Figueiredo.

Já participaram do projeto Cevadas de Palavra: o argentino Raúl Noriega, no dia 23/8, e a uruguaia María Elena Melo, no dia 29/8.

DISCO – No repertório composições próprias e obras do cancioneiro de inspiração folclórica do Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. O projeto conta com as participações de artistas gaúchos – Marco Aurélio Vasconcellos e Marcelo Delacroix – e dos hispano-americanos Raúl Noriega, Laura Peralta e Golondrina Ruiz, da Argentina, e María Elena Mello, do Uruguai. A produção musical do álbum é do flautista e arranjador Pedrinho Figueiredo.
O disco Cantos do Sul da Terra, que tem financiamento do Fumproarte, de Porto Alegre, tem previsão de lançamento para abril de 2017.

DEMÉTRIO XAVIER – Cantor, radialista e violonista porto-alegrense especializado na pesquisa e interpretação do nativismo platino. Atuando no Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina, enfatiza seu trabalho na obra do mestre maior do gênero, Atahualpa Yupanqui, a quem conheceu pessoalmente, em Buenos Aires, em 1990. Em 1998, o músico gravou o CD independente Camino – Demétrio Xavier interpreta Atahualpa Yupanqui. Em 2005, lançou o álbum duplo O pajador perseguido, com a gravação da versão em espanhol e de tradução para o português do grande poema de Yupanqui. A tradução é de autoria de Demétrio e mereceu a apresentação do poeta Carlos Nejar. Em 2009, venceu, ao lado de Marco Aurélio Vasconcellos, a 36ª Califórnia da Canção Nativa com A sanga do Pedro Lira. Desde setembro de 2011, produz e apresenta o programa Cantos do Sul da Terra, na rádio FM Cultura, de Porto Alegre.


Em Agosto
23 e 29/8/2016 | 19h | Entrada franca
Demétrio Xavier recebe músicos estrangeiros
Local: Fundação Ecarta (Avenida João Pessoa, 943 – Porto Alegre)
Foto: Kris Rosa
Demétrio Xavier recebe músicos estrangeiros | Foto: Kris Rosa

As atividades fazem parte do projeto do novo disco de Demétrio Xavier, músico e compositor, intitulado Cantos do Sul da Terra, que marcará os 30 anos de carreira do artista. Os encontros são chamados de Cevadas de Palavra. No dia 23/8, Demétrio entrevistará Raúl Noriega, da Argentina; e no dia 29/8, María Elena Melo, do Uruguai. A proposta é ampliar o diálogo entre os artistas e os ritmos, em uma conversa animada pelos conhecimentos e as histórias dos convidados.

DISCO – No repertório composições próprias e obras do cancioneiro de inspiração folclórica do Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. O projeto conta com as participações de artistas gaúchos – Marco Aurélio Vasconcellos e Marcelo Delacroix – e dos hispano-americanos Raúl Noriega, Laura Peralta e Golondrina Ruiz, da Argentina, e María Elena Mello, do Uruguai. A produção musical do álbum é do flautista e arranjador Pedrinho Figueiredo.
O disco Cantos do Sul da Terra, que tem financiamento do Fumproarte, de Porto Alegre, tem previsão de lançamento para abril de 2017.

DEMÉTRIO XAVIER – Cantor, radialista e violonista porto-alegrense especializado na pesquisa e interpretação do nativismo platino. Atuando no Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina, enfatiza seu trabalho na obra do mestre maior do gênero, Atahualpa Yupanqui, a quem conheceu pessoalmente, em Buenos Aires, em 1990. Em 1998, o músico gravou o CD independente Camino – Demétrio Xavier interpreta Atahualpa Yupanqui. Em 2005, lançou o álbum duplo O pajador perseguido, com a gravação da versão em espanhol e de tradução para o português do grande poema de Yupanqui. A tradução é de autoria de Demétrio e mereceu a apresentação do poeta Carlos Nejar. Em 2009, venceu, ao lado de Marco Aurélio Vasconcellos, a 36ª Califórnia da Canção Nativa com A sanga do Pedro Lira. Desde setembro de 2011, produz e apresenta o programa Cantos do Sul da Terra, na rádio FM Cultura, de Porto Alegre.

RAÚL NORIEGA – Percussionista argentino, dedica-se aos ritmos folclóricos há mais de 20 anos, com seu grupo La Fangosa. Seu instrumento mais característico é o bombo leguero, com o qual irá participar de algumas das faixas do disco Cantos do Sul da Terra.

MARÍA ELENA MELO – Cantora e compositora uruguaia, com formação clássica em oboé e popular em violão. Desenvolveu sua carreira musical voltada para o canto e o folclore do Uruguai, atuando em orquestras e também como educadora. Realizou turnês pela França e Espanha. Atualmente, prepara dois novos CDs, com tangos e milongas, unindo composições do Uruguai e da Argentina.


Em Junho
18/6 | 18h | Entrada franca
Talk show de Julio Reny comemora aniversário do Culturíssima
Local: Fundação Ecarta (Avenida João Pessoa, 943 – Porto Alegre)
Foto: Giovani Paim
Cristiano Bastos e Julio Reny | Foto: Giovani Paim

O Culturíssima, portal independente de notícias de cultura, completou um ano em março. O aniversário será comemorado, na Fundação Ecarta, com um talk show. No palco, um bate-papo entre o cantor e compositor Julio Reny e o seu biógrafo, Cristiano Bastos, que lançou, em 2015, Histórias de Amor & Morte (Artes & Ofícios Editora).
Entremeando esta conversa cadenciada, o artista apresentará um repertório intimista, que passeia pelos lados B da sua extensa obra musical e também pelos hits que o consagraram um dos maiores compositores da música jovem gaúcha. Será um momento interessante de canções que contam histórias e de histórias sobre a vida de quem as compôs.

Sobre o Culturíssima | Portal independente de notícias de cultura, criado em março de 2015, em Porto Alegre. Entre todo o conteúdo publicado, estão mais de 50 entrevistas com grandes personalidades gaúchas e do País. Alguns nomes são Arthur de Faria, Bebeto Alves, Pablo Villaça, Humberto Gessinger, Nasi, Helio Flanders e Daniel Drexler.


Em Abril
29/4 | 19h30
Pedrinho Silveira lança o CD Sambas e Bossa

Local: Fundação Ecarta (Avenida João Pessoa, 943 – Porto Alegre)
Ingresso: R$ 15,00 – que dá direito ao CD.
Foto: Igor Sperotto
Silfarnei Alves e Pedrinho Silveira | Foto: Igor Sperotto

O cantor, compositor e arranjador Pedrinho Silveira lança na Fundação Ecarta o CD autoral Sambas e Bossas. Acompanhado pelo violonista Silfarnei Alves, no show ele apresenta as 11 faixas, nos estilos samba de raiz e bossa nova: Crédito ao coração, No samba me criei, Manhã de Sol, Receita de amor, Rafaela, Vou sair por ai, Amor a três, Sambar é bom, Folhas de outono, Menino do Morro e Minha cidade. "Todas as letras e melodias deste trabalho retratam o cotidiano da nossa cidade", revela Pedrinho. Sambas e Bossas foi gravado em Porto Alegre, com participação dos músicos Zé Vidal (piano), Bombom (violão 7 cordas) e Dadá (percussão).

OS ARTISTAS

PEDRINHO SILVEIRA | Cantor, compositor, arranjador, começou sua trajetória nas casas noturnas de Porto Alegre, onde tocou e cantou ao lado de grandes músicos. Sempre influenciado pela Bossa Nova e MPB, sua inspiração vem de João Gilberto, Tom Jobim, Vinícius de Moares, Carlos Lira, Marcos Vale e Roberto Menescal. Lançou o primeiro álbum, Novos Tempos, em 2004, com participação especial de Plauto Cruz, Jorginho do Trumpet e Tenisom Ramos. Em 2005, 2006 e 2007, gravou mais três CDs e um DVD, este último ao vivo no Theatro São Pedro. Em 2008, lançou o CD instrumental Fim de Tarde e, no ano seguinte, À moda brasileira. Em 2013 foi a vez do disco Minha cidade, minas músicas.

SILFARNEI ALVES | Violonista e compositor, é músico profissional desde 1983. Já acompanhou artistas como Jair Rodrigues, Jamelão, Leci Brandão, Neguinho da Beija-Flor, Arlindo Cruz e Darcy Alves. Foi fundador do Grupo de Samba Flor de Ébano, é componente de Harmonia e compositor de escolas de samba, entre elas Praiana e Bambas da Orgia. Atua em diversos gêneros musicais: samba, MPB, Chorinho, latino-americana, nativista, bossa nova etc. Atualmente é presidente do Sindicato dos Músicos do Rio Grande do Sul.


Apoio:

Realização:






Confira as atividades realizadas:
Fundação Cultural e Assistencial ECARTA
Av. João Pessoa, 943 - Porto Alegre - RS - Brasil - Fone: 51-4009.2970
© Copyright 2005 - 2011 Todos os direitos reservados (All Rights Reserved)